Liga Nacional: confira os resultados dos jogos da primeira rodada

Os jogos da Chave B, do Nordeste, foram no SESC Petrolina/ Foto: CBHb

Os jogos da Chave B, do Nordeste, foram no SESC Petrolina/ Foto: CBHb

O final de semana foi de jogos pela Liga Nacional em todos os regionais, sendo estes válidos pela primeira rodada. Pela Nordeste o primeiro turno já acabou, agora entra no segundo. Já no Sul/Sudeste/Centro a competição na primeira fase segue.

Pelo masculino, no Regional Nordeste, Chave A, no sábado, 27 de agosto, o América venceu o FHANC, por 32 a 27. No domingo, o Grêmio bateu o América, por 26 a 23.

No mesmo regional, Chave B, no sábado o Português/AESO superou o Handebol Alvinegro/ABC, pelo placar de 32 a 21. O APCEF/New Hand venceu por apenas um gol o Grêmio Ciefe, por 27 a 26. Um dia depois, o Handebol Alvinegro/ABC ganhou do Grêmio Cief, pelo placar de 27 a 33. Já o Português bateu o APCEF/New Hand, por 17 a 26.

Pelo Regional Sul/Sudeste/Centro, o Taubaté encerou o Pinheiros e venceu por 22 a 27. O São Caetano venceu o São Bernardo/Metodista, por 30 a 24.

No feminino houve jogos apenas no Regional Nordeste. No sábado o Português venceu p BPE, por 24 a 20. No domingo, o Português voltou a vencer, desta vez o HCP/Colégio Século, pelo placar de 22 a 34.

As próximas rodadas serão no começo de setembro.

Handebol de São Paulo tem sua II Assembleia Geral

Assembleia realizada em 2015/ Foto: Divulgação FPhand

Assembleia realizada em 2015/ Foto: Divulgação FPhand

Neste final de semana, 3 e 4 de setembro, acontecerá a segunda Assembleia Geral da Federação Paulista de Handebol. O evento reunirá atletas, dirigentes, técnicos, árbitros e todos os amantes da modalidade para discutir e compartilhar ideias sobre o esporte no Brasil e a elaboração de um plano macro para o desenvolvimento do handebol paulista. O Museu do Futebol será a sede da Assembleia.

A Assembleia é organizada pela Federação Paulista de Handebol, que nos últimos anos gera ações com o objetivo de ampliar o número de praticantes da modalidade, além de oferecer aos clubes e atletas campeonatos competitivos e de alto nível técnico.

A maior dificuldade na implantação de novos modelos, segundo os dirigentes, não está no trabalho a ser realizado, mas na mudança de uma cultura, na expectativa do que foi se consolidando ao longo dos anos. Mas o quadro está mudando.

O presidente da Federação, Celso Gabriel, ressalta que tanto dirigentes, como árbitros, jogadores e técnicos estavam habituados à realização de assembleias pró-forma, realizadas a partir de uma obrigação estatutária. Contudo, boa parte compareceu a assembleia do ano passado por obrigação profissional, indicados por gestores. Outros deixaram de ir. Poucos foram acreditando ou entendendo a importância e a seriedade da proposta. A qualidade da realização do evento, a presença efetiva dos mais importantes profissionais de handebol do Estado e do País, o alto nível das propostas e discussão de ideias, surpreendeu aqueles que esperavam um acontecimento burocrático.

Alguns dos assuntos debatidos na primeira edição foram colocadas em prática, outras estão sendo planejadas, e algumas ficaram no papel.

“Não basta ter boas ideias. É preciso que sejam formalizadas e apresentadas. Com o aval dado por todos interessados no desenvolvimento da modalidade, e a certeza de que serão implantadas. Por isso, é fundamental a presença de todos. A hora de falar, a hora de opinar, a hora de sugerir é esta. Toda critica é bem-vinda. Toda sugestão é válida” enfatizou o presidente que espera a presença de um grande número de praticantes e interessados.

Para participar é necessário inscrição pelo e-mail: fphand@fphand.com.br

Para a edição deste ano estão confirmados

– Jordi Ribeira, ex-técnico da Seleção Brasileira Masculina Adulta e atual técnico da seleção espanhola;

– Washigton Nunes, técnico da Seleção Brasileira Júnior Masculina;

– Marcos Paulo Caseira, do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo;

– Alessandra Dutra, psicóloga da Seleção Olímpica Feminina;

-Luiz Turisco; preparador físico da Seleção Brasileira Masculina;

– Morten Soubak, técnico da Seleção Brasileira de Handebol Feminina.

Serviço:

O quê: II Assembleia Geral de Handebol – Fed. Paulista de Handebol
Quando: 03 e 04 de setembro de 2016.
Hora: dia 3, das 13h às 19h. No dia 4 das 9 às 18h.
Onde: Museu do Futebol – Estadio do Pacaembu (ver mapa)

*Com informações: Assessoria de Imprensa da FPHand

Diogo Hubner conta como foi jogar as Olimpíadas no Brasil

O atleta contou não sentiu a pressão de jogar em casa e aposentadoria está fora de cogitação.

Diogo em partida nas Olimpíadas/ Foto: arquivo pessoal do atleta

Diogo em partida nas Olimpíadas/ Foto: arquivo pessoal do atleta

A cada ciclo olímpico muitas mudanças acontecem. É o caso da Seleção Brasileira Masculina que troca de equipe técnica após a saída de Jordi Ribera, mas longe de falar deste assunto, nós conversamos com Diogo Hubner, atleta da Seleção, que nos contou como foi jogar as Olimpíadas no Brasil e contar com apoio da torcida que lotou a Arena do Futuro.

Sem pressão externa, assim definiu Diogo sobre os Jogos #Rio2016. Mesmo com a presença em peso dos torcedores na Arena, torcida cantante e que não deixou de apoiar a equipe nem um segundo. No entanto Hubner ressalta “acho que a gente que nos colocou bastante pressão pra conquistar os resultados”.

Sobre a experiência de disputar os Jogos o armador comemora: “Por mim contar com a torcida foi muito legal! Muitos colegas meus de quando eu comecei a jogar, professores. A comunidade do handebol do Brasil estava toda presente, e meus familiares também, coisas que se os Jogos Olímpicos fossem em outro lugar eu não teria vivido!”

A Seleção Masculina não era a favorita ao pódio, porém surpreendeu a todos ao derrotar importantes equipes europeias na primeira fase, como a Alemanha. “A falta de favoritismo talvez tenha ajudado, sim. A gente não era favorito, mas sabia do que era capaz”, enfatizou.

A equipe brasileira tem uma mescla de atletas jovens e de atletas mais experientes. O jogador é um dos mais experientes do grupo olímpico e por isso sabia da importante missão de ajudar os mais jovens. “De fato eu na Seleção tinha um papel de tentar dar mais tranquilidade a eles, porque é uma geração fantástica, mas são jovens, e jovens cometem alguns erros, muitas vezes pelo ímpeto, pela ansiedade. Claro, você estar há muito tempo na Seleção, ter participado de inúmeras competições te traz um pouco mais de tranquilidade, mas são Jogos Olímpicos, eram Jogos Olímpicos dentro do nosso país, então eu acho que a ansiedade também era grande, por parte dos mais experientes”, ressaltou Hubner.

Durante a primeira fase, a Seleção Brasileira surpreendeu ao vencer Alemanha e Polônia, empatar com o Egito e ter apenas duas derrotas, por placares muito apertados. Terminou em quarto lugar e avançou para as quartas de finais, saindo da competição após a derrota para a França. Diogo falou que a equipe sentiu muito cair nas quartas, pois sabiam que poderiam ter ficado em primeiro no grupo e não cruzado com a França. Eles sabiam que um jogo contra a França seria um jogo muito difícil. “É uma escola que dispensa comentários. Foi bem doido sim, a gente queria ter ido mais longe, porque a gente sentia que a gente podia e tinha capacidade para isso”.

Quem acompanha o handebol a mais tempo percebeu que esse grupo, que tem como base a seleção que disputou os Mundiais de 2013 e 2015, se desenvolveu muito, atingindo nestas Olimpíadas resultados que antes eram impossíveis. O desenvolvimento se deu, como Diogo explicou, através de muito trabalho e estudo. Segundo ele trabalho é a palavra que melhor exemplifica o avanço desta escrete.

Com o fim dos Jogos Olimpícos #Rio2016, os atletas ganharam alguns dias de folga e após retornaram aos seus clubes. Porém, enquanto os atletas focam nas competições que terão a seguir, o novo ciclo olímpico começa a ser planejado. “Ainda não sei qual vai ser o futuro da Seleção”, lembrou ele (essa entrevista foi realizada antes da saída de Jordi), que completou “tudo é muito recente ainda, e nós não sabemos ainda como vai ser trabalhado esse próximo ciclo. Contudo que acho que já deveríamos estar pensando, sim, principalmente quem pensa no handebol também fora da quadra, a estratégia tem que ser muito bem traçada para que a gente chegue em Tóquio como chegou no Rio”.

Diferente da Seleção Feminina que depois da Rio anunciou a aposentadoria de algumas atletas, na Seleção Masculina o assunto nem entrou em pauta. Mesmo sabendo que é natural que quando jovens entram os mais velhos acabam sendo superados, Hubner disse isso não preocupa. De acordo com o armador, a Seleção Brasileira tem um elenco muito jovem, com atletas de 21 e 22 anos, além dos jogadores que terão idade muito boa para disputar as Olimpíadas de Tóquio. Sobre aposentadoria ele garante “não foi falado nada sobre isso e não tem ninguém, por enquanto, pensando nisso”.

*Matéria escrita em parceria com o Lance!

Noite de estreia na Liga Nacional

HCP e BPE / Foto: Anderson Stevens – Photo&Grafia – CBHb

HCP e BPE / Foto: Anderson Stevens – Photo&Grafia – CBHb

Noite desta sexta-feira, 26 de agosto, foi marcada estreia da Liga Nacional 2016. A partida que deu o ponta pé inicial nesta edição foi entre HCP e BPE, no naipe feminino. No masculino também teve jogo, e ambas partidas foram pelo Regional Nordeste.
A partida entre HCP e BPE foi bastante intensa. No primeiro tempo apenas um gol separava as duas equipes, que jogavam muito similares (15-14). No segundo tempo, no entanto, o HCP conseguiu ser mais ágil nos ataques e contra-ataques, e assim abriram vantagem, que mantiveram até o final do jogo. Placar Final: HCP 31 x 24 BPE.

No masculino, O Português enfrentou o Grêmio Cief. A partida também foi bastante agitada, com bonitos lances, e alguns gols de cobertura. O Português se saiu melhor e venceu com uma boa vantagem de 15 gols. Placar Final: Clube Português 37 x 22 Grêmio Cief.

Neste final de semana a competição segue, com jogos em todos os regionais. Confira os jogos que ocorreram a partir deste sábado.

Regional Nordeste – Masculina Chave A

Sábado, 27 de agosto
16h: América (AL) x FHANC (BA)

Domingo, 28 de agosto
10h: Grêmio (BA) x América (AL)
Local: Ginásio do Sesc, Petrolina (PE)

Regional Nordeste – Masculina Chave B

Sábado, 27 de agosto

16h: Português/AESO (PE) x Handebol Alvinegro/ABC (RN)
17h30: APCEF/Newhand (PB) x Grêmio Cief (PB)

Domingo, 28 de agosto
10h: Grêmio Cief (PB) x Handebol Alvinegro/ABC (RN)

11h30: APCEF/Newhand (PB) x Português/AESO (PE)
Local: Vila Olímpica da Parahyba, João Pessoa (PB)

Regional Nordeste – Feminina Chave A

Sábado, 27 de agosto
14h30: Português/AESO (PE) x BPE (PE)

Domingo, 28 de agosto
8h30: HCP/Colégio Século (PB) x Português/AESO (PE)
Local: Vila Olímpica da Parahyba, João Pessoa (PB)

Regional Sul/Sudeste/Centro – Masculino

Sábado, 27 de agosto
16h: Pinheiros (SP) x Taubaté/FAB/Unitau (SP)

Local: Ginásio Henrique Villaboim. São Paulo (SP)

16h: São Caetano (SP) x São Bernardo/Metodista/Besni (SP)

Local: Ginásio Poliesportivo Marlene José Bento (EDA). São Caetano do Sul (SP)

HCP e BPE abrem a Liga Nacional

Metodista/SB é eneacampeão da Liga Nacional / Foto: André Pereira

Metodista/SB é eneacampeão da Liga Nacional / Foto: André Pereira

Começa nesta sexta-feira, 26 de agosto, a Liga Nacional 2016! A competição deste ano será diferente dos anos anteriores, já que a primeira etapa será regionalizada. Haverão jogos no naipe masculino e feminino, sendo que as meninas do HCP e BPE abrem a maior competição do País.

O Ginásio na Vila Olímpica da Parahyba, em João Pessoa (PB), será palco de todos os jogos do primeiro turno dos grupos A no feminino e do B no masculino, no Regional Nordeste.

Entre as garotas, nesta sexta, HCP e BPE abrem a competição. Às 17h30. Entre os rapazes, Grêmio Cief e Português/AESO entram em quadra, às 19h. Na sequência acontecerá o embate entre APCEF/NewHand e Handebol Alvinegro ABC, a partir das 20h30.

A chave A Masculina, do Regional Nordeste, será disputada no Ginásio do SESC-PE, em Petrolina. Na sexta-feira, Grêmio e FHANC se enfrentam, às 20h. Neste grupo os demais jogos da rodada serão no final de semana.

No sábado e no domingo aconteceram as partidas do Reginal Sul/Suldeste/Centro com jogos no masculino, sendo que os duelos acontecerão no Ginásio Poliesportivo Marlene José Bento (EDA). Veja abaixo a lista de embates:

Liga Nacional 2016

Regional Nordeste – Masculina Chave A

Sexta-feira, 26 de agosto
20h: Grêmio (BA) x FHANC (BA)

Sábado, 27 de agosto
16h: América (AL) x FHANC (BA)

Domingo, 28 de agosto
10h: Grêmio (BA) x América (AL)

Regional Nordeste – Masculina Chave B

Sexta-feira, 26 de agosto
19h: Grêmio Cief (PB) x Português/AESO (PE)
20h30: APCEF/Newhand (PB) x Handebol Alvinegro/ABC (RN)

Sábado, 27 de agosto
16h: Português/AESO (PE) x Handebol Alvinegro/ABC (RN)
17h30: APCEF/Newhand (PB) x Grêmio Cief (PB)

Domingo, 28 de agosto
10h: Grêmio Cief (PB) x Handebol Alvinegro/ABC (RN)
11h30: APCEF/Newhand (PB) x Português/AESO (PE)

Regional Nordeste – Feminina Chave A

Sexta-feira, 26 de agosto
17h30: HCP/Colégio Século (PB) x BPE (PE)

Sábado, 27 de agosto
14h30: Português/AESO (PE) x BPE (PE)

Domingo, 28 de agosto
8h30: HCP/Colégio Século (PB) x Português/AESO (PE)

Regional Sul/Sudeste/Centro – Masculino

Sábado, 27 de agosto
16h: Pinheiros (SP) x Taubaté/FAB/Unitau (SP)
Local: Ginásio Henrique Villaboim – Rua Hans Nobiling, s/nº – São Paulo (SP)

16h: São Caetano (SP) x São Bernardo/Metodista/Besni (SP)