Começa nessa quinta-feira o Super Globe Feminino

Concórdia já está na China em preparação para o mundial. Foto: página do clube

Começa nessa quinta-feira, 1º de agosto, o Super Globe Feminino, já na etapa de quartas de final. A Concórdia, representando as Américas, entrará em quadra nessa estreia em busca do título mundial. As partidas são em Wuxi, na China.

Omron e New York City abrirão o campeonato, às 3h.

Kaysar Club jogará com o Chinese National Club, às 5h15.

Agosto Luanda enfrentará o Jiangsu Team, às 7h30.

Concórdia duelará com Univ Queensland, a partir das 9h45.

Os jogos terão transmissão pelo link: https://vzan.com/live/channelpage-128263.

O Super Globe está em sua primeira edição no feminino, organizado pela Federação Internacional de Handebol em parceria com a Federação Chinesa de Handebol. Nunca houve antes disputa mundial entre clubes do feminino.

Anúncios

Brasil vence o México na estreia do handebol masculino no Pan Lima 2019

Seleção busca a vaga Olímpica e o tetracampeonato. Foto: COB

A Seleção Brasileira venceu o México, 33 a 23, na estreia do handebol masculino no Pan-Americano Lima 2019, partida realizada na noite desta quarta-feira, 31 de julho. O Brasil volta ao Pan nessa quinta-feira, 1º de agosto, quando enfrentará o Peru, às 20h.

Brasil e México jogaram acompanhados de toda a ansiedade da estreia, cometeram erros que não são comuns. O Brasil cometeu muitas faltas ao longo do jogo, levou algumas suspensões de dois minutos, por ações que poderiam ter sido evitadas. O México começou a partida com a bola e defesa do goleiro brasileiro Bombom. Foi a Seleção Brasileira que abriu o marcador e também a vantagem de três gols (3-0). Mas não demorou para os mexicanos conseguirem encaixar as jogadas e encostar no marcador (4-3). Borges foi eficiente para o Brasil nos minutos iniciais, nos contra-ataques, que mantiveram os brasileiros a frente. A Seleção errou finalizações importantes e tinha um defesa mais aberta, mesmo jogando no 5×1, isso porque a ideia era atacar com agilidade. Nunes parou o jogo e falou com os brasileiros, reorganizou a equipe, que mesmo com a pressão mexicana, conseguiu encontrar mais vezes o gol e voltou a abrir vantagem, indo para o intervalo com oito gols a frente. Placar Parcial: BRA 18 x 10 MEX.

Na etapa complementar, o Brasil deu um susto nos torcedores. O México era ágil nos ataques, na defesa conseguia fazer o 1 contra 1, segurou os brasileiros, tinha boas defesas do arqueiro Aguilar, conseguia chegar ao gol brasileiro com certa facilidade, principalmente nos contra-ataques. Os mexicanos tinham boas finalizações, perderam poucos gols. Já a Seleção Brasileira sentiu a reação dos adversários, errou passes, era lento nas jogadas de contra-ataque, justamente as jogadas que fizeram a diferença na primeira etapa. O Brasil não estava bem em quadra, levou dois minutos, chegou a ficar sem dois atletas em quadra. Chiuffa abriu o marcador na volta do intervalo, mas naqueles 10 primeiros minutos, foi o México que balançou a rede mais vezes, oito vezes contra cinco do Brasil (23-18). Nunes pediu tempo e, novamente, reorganizou a equipe brasileira. A conversa deu resultado. Os brasileiros acharam o caminho do gol e aproveitava todos os espaços para arremessar a bola a gol. O Brasil perdeu gols, contudo, nada que chegasse a ameaçar. A Seleção conseguiu se manter a frente e aos poucos aumentou a vantagem, mantendo a meta de vencer logo na estreia. Com o gol de Rogério, já no final do confronto, o Brasil abriu 10 gols de diferença (31-21). O México tentou empatar, marcou o último gol do jogo nos segundos finais, mas não conseguiu empatar. Placar Final: BRA 33 x 23 MEX.

Felipe Borges, da Seleção Brasileira, foi o artilheiro, com nove gols marcados.

Jogos da quarta-feira

Além de Brasil e México, nesta quarta-feira aconteceram mais duas partidas.

Chile venceu Cuba, por 28 a 38. Porto Rico superou o Peru, por 27 a 23.

A primeira rodada ainda não acabou. A partir das 22h30, Argentina e Estados Unidos se enfrentarão.

Partidas de quinta-feira

Nessa quinta-feira acontecerão as partidas da segunda rodada. Confira abaixo:

15h: Cuba x Chile

17h30h: Porto Rico x Peru

20h: Peru x Brasil

22h30: Argentina x Estados Unidos]

*Jogos Horário de Brasília
** Atualizada, às 23h.

De susto inicial ao Hexa: Brasil é campeão do handebol feminino Lima 2019

Além do ouro, a Seleção Brasileira conquistou a vaga para Tokyo2020. Foto: Wander Roberto – COB

A noite de terça-feira foi marcada pela decisão do handebol feminino do Pan-Americano Lima 2019! Mas não foi uma simples decisão, foi o clássico Brasil e Argentina, pela terceira vez consecutiva. A Seleção Brasileira não começou bem o jogo, deu um susto na torcida, mas conseguiu se recuperar e dominou, venceu, 21 a 29, e conquistou o hexacampeonato. Com o ouro nos pescoços, as brasileiras se tornaram as maiores campeãs do Pan-Americano, as únicas a ter seis títulos. Além do Brasil, apenas uma seleção subiu no mais alto do pódio pan-americano, foi Estados Unidos, em 1987 e 1995. O primeiro título da Seleção Brasileira foi em 1999 e desde é a única a conquistar o ouro.

O jogo da final começou quente, o relógio marcava 40 segundos quando Duda abriu o marcador a favor do Brasil. A Argentina marcou na sequência empatando o jogo (1-1), logo depois marcou o segundo (2-1). A Seleção Brasileira empatou (2-2), mas a seleção argentina desempatou. O empate prevaleceu por quase 10 minutos. O Brasil errava muito, a bola não chegava nas pontas, o ataque não finalizava bem, perdeu muito gols, durante toda a primeira etapa foram oito gols perdidos ou defendidos pela goleira Marisol. Duda fazia ações de bloqueio, que o árbitro entendeu como faltosas e a jogadora levou duas suspensões de 2 minutos. Além disso, a defesa estava aberta justamente no meio, não conseguia encaixar a marcação um a um. A Argentina era rápida nos contra-ataques e percebeu as falhas das adversárias, foram para cima e conseguiram abrir vantagem (7-5). As argentinas, mesmo com uma pouca vantagem, conseguiram impor ritmo em quadra. O Brasil conseguiu, já nos minutos finais uma reação, com a entrada de Adriana na ponta e Renata nos arcos, o gol de Larissa empatou a partida que foi para o intervalo em igualdade entre as equipes. Placar Parcial: ARG 12 x 12 BRA.

A etapa complementar começou com a bola das argentinas e com defesa de Renata, o nome do jogo. Macarena Sans marcou para a Argentina e Adriana para o Brasil, a partida seguia empatada (13-13), contudo, era visível a alteração no modo de jogar da Seleção Brasileira. O ataque ficou mais encaixado, a defesa bloqueava com facilidade. As brasileiras pararam de errar e dominaram o confronto. Não demorou para o Brasil abrir três gols de vantagem (13-16). As argentinas perceberam a reação e ficaram ansiosas, começaram a errar no ataque, ações que antes acertavam com facilidade. A goleira brasileira Renata estava em um dia de inspiração, defendeu a maior parte dos arremessos das rivais. Deoníse que havia passado um primeiro tempo apagada, no segundo foi responsável por muitos gols brasileiros. Bruna, Patrícia, Larissa e Ana Paula foram apenas algumas das personagens da virada do Brasil. Faltando menos de três minutos para o fim, a Seleção Brasileira abriu 10 gols de vantagem. Porém, as argentinas não tinham desistido e seguiram atacando forte e diminuíram a diferença, não o necessário para empatar a partida. Vitória brasileira. Placar Final: ARG 21 x 29 BRA.

As meninas eram só alegria. Foto: Instagram Paty Matineli

A artilharia do jogo foi partilhada entre as brasileiras Eduarda Amorim e Deoníse Fachinelo, cada uma marcou 5 gols.

Assim que terminou o jogo, as atletas da Seleção Brasileira colocaram música, se organizaram e fizeram uma dança em comemoração. Elas escolheram “Onda Diferente”, de Anita em parceria com Ludimila e Snoopy Dog. Elas animaram os torcedores, além de pegar a todos de surpresa.

https://platform.twitter.com/widgets.js

Cuba é bronze

Cuba conquistou o bronze ao vencer, na noite dessa terça-feira, os Estados Unidos. A partida foi muito disputada, bola brigada segundo a segundo, com as duas seleções jogando de igual para igual. Cuba conseguiu ir para o intervalo com um gol a mais (13-12). Essa vantagem de apenas um gol foi mantida pelas cubanas. Placar Final: CUB 24 x 23 EUA.

A artilharia foi de Nicole Andersen, de Estados Unidos, que marcou 8 vezes.

Quem são os maiores campeões do handebol em Pan-Americanos?

Seleção Brasileira durante o hino na final de Toronto 2015. Foto: CBHb

Você sabe quando o handebol passou a fazer parte do programa de esportes do Pan-Americano e quais são as maiores campeãs do esporte no campeonato?

O handebol foi incluído nas disputas do Pan-Americano na edição de Indianópolis (EUA) em 1987. Desde então, o esporte nunca deixou de ser disputado. Naquela primeira edição, disputada por pontos-corridos, as seleções de Estados Unidos conquistaram o ouro, Cuba conquistou a prata no masculino e Canadá a prata no feminino. O bronze, nos dois naipes, foi do Brasil.

Na edição seguinte, Havana (CUB) recebeu os confrontos em 1991. Não houve jogos no feminino. Cuba ficou com o ouro, Brasil com a prata e Estados Unidos com o bronze. Porém, Cuba não disputou as Olimpíadas de Barcelona 1992, a vaga ficou com os brasileiros.

Em 1995 foi a vez de Mar Del Plata (ARG) receber os Jogos Pan-Americano. A partir dessa edição os dois naipes passaram a fazer parte do programa. No feminino o ouro foi conquistado por Estados Unidos, Canadá ficou com a prata e o Brasil com o bronze. No masculino Cuba ficou com o ouro, Brasil com a prata e Argentina com o bronze.

Winnipeg (CAN) foi a sede em 1999, mudou o cenário do handebol brasileiro, principalmente o feminino. Entre as mulheres veio o primeiro ouro, Canadá foi prata e Cuba ficou com o bronze. No masculino, Cuba, Brasil e Argentina subiram ao pódio, assim como na edição passada.

Santo Domingo (RDO) recebeu o evento desportivo em 2003. Teve dobradinha Brasileira no ouro, as duas seleções conquistaram o lugar mais alto do pódio. A Argentina conquistou prata nos dois naipes. O bronze feminino ficou com o Uruguai, Estados Unidos ficou com o bronze masculino.

Rio de Janeiro (BRA) foi sede em 2007. Novamente as Seleções Brasileiras conquistaram o ouro no feminino e no masculino. A prata das mulheres ficou com Cuba, entre os homens com a Argentina. O bronze ficou com Argentina e Cuba, no feminino e no masculino – respectivamente.

Guadalajara (MEX) recebeu o Pan em 2011. Brasil foi ouro no feminino, Argentina conquistou a prata, República Dominicana conquistou o bronze. No masculino, Argentina conquistou o ouro, o Brasil a prata, o Chile o bronze.

A edição de 2015 foi em Toronto (CAN). A Seleção Brasileira conquistou o ouro nos dois naipes, a Argentina conquistou a prata também nos dois naipes, o bronze foi conquistado por Chile no feminino e Uruguai no masculino.

Os campeões femininos

Os campeões femininos são Estados Unidos com 2 ouros e Brasil com 5 ouros.

Os campeões masculinos

Os campeões masculinos são Estados Unidos e Argentina com 1 ouro cada, Cuba com 3 ouros e Brasil com 3 ouros.

Assim, pode-se dizer que apenas cinco seleções estão no topo do handebol do Pan-Americano. Dessas, as equipes nacionais com maiores vitórias no feminino é o Brasil, campeão cinco vezes; no masculino Brasil e Cuba cada um três vezes no lugar mais alto do pódio.

Lima 2019

Lima poderá mudar a história ou afirmar os favoritismos. Em virtude das campanhas nas últimas edições do Pan, bem como nos campeonatos continentais, os favoritos em ambos naipes são as seleções brasileiras e argentinas.

A final feminina será pela terceira vez, seguida, entre Brasil e Argentina nessa terça-feira, 30 de julho, às 22h30. Se vencer o Brasil conquistará o hexa, já a Argentina caso vença será campeão pela primeira vez.

No masculino ainda é cedo para definir a final, pois os jogos ainda não começaram. Na quarta-feira, dia 31, brasileiros, mexicanos, porto-riquenhos, peruanos, estadunidenses, cubanos, argentinos e chilenos iniciarão a busca pelas medalhas (ver aqui).

Brasil estreia nessa quarta-feira no handebol masculino do Pan Lima 2019

A Seleção Brasileira conquistou o tricampeonato em Toronto 2015. Foto: CBHb

A Seleção Brasileira estreia nessa quarta-feira, 31 de julho, no handebol masculino do Pan-Americano Lima 2019. A partida será contra o México, às 20h*. Os atletas brasileiros já estão no Peru, viajaram para o país-sede dos Jogos, no último domingo, dia 28.

Além de Brasil e México, haverá na quarta mais três jogos. Cuba e Chile abrirão a competição, às 15h. Porto Rico e Peru se enfrentarão, às 17h30.

Argentina e Estados Unidos fecham o primeiro dia de jogos, às 22h30.

As disputas do handebol masculino serão até o dia 5 de agosto, quando haverá as partidas pelas medalhas.

A Seleção Brasileira

A Seleção Brasileira está no Grupo B do Pan, ao lado de México, Porto Rico e Peru. Na Chave A estão Estados Unidos, Cuba, Argentina e Chile.

No domingo passado o técnico Washington Nunes confirmou os atletas que representarão o País em Lima e buscarão o tetracampeonato pan-americano. São eles:

Seleção Brasileira

Goleiros: César de Almeida – Bombom (Fenix Toulouse Handball) e Leonardo Tercariol (BM Benidor);

Pontas Direita: Fábio Rocha Chiuffa (Sporting Lisboa) e Rudolf Hackbarth (Pinheiros);

Armador Direito: Oswaldo Guimarães (BM Granollers);

Centrais: Henrique Teixeira (CSM Bucuresti) e João Pedro da Silva (Benfica);

Armadores Esquerdo: Haniel Langaro (Dunkerque Handball), Thiagus Petrus (Barcelona), Thiago Ponciano (BM Ciudad Encantada), Raul Nantes (BM Benidorm);

Ponta Esquerda: Felipe Borges (Tremblay Handball);

Pivôs: Alexandro Pozzer -Tchê (CSM Bucuresti), Rogério Moraes (Veszprém)

Comissão Técnica

Treinador: Washington Nunes
Treinador: Hélio Justino
Treinador de goleiros: Diogo Castro
Preparador físico: Luiz Antônio Turisco
Fisioterapeuta: Gustavo Barbosa
Fisioterapeuta: Daniel Augusto dos Santos
Supervisor: Marcus Ricardo de Oliveira
Diretor de Seleções: Fernando Pacheco

Tabela de jogos

Quarta-feira, 31 de Julho

15h: Cuba x Chile

17h30h: Porto Rico x Peru

20h: Brasil x México

22h30: Argentina x Estados Unidos

Quinta-feira, 1º de Agosto

15h: Cuba x Chile

17h30h: Porto Rico x Peru

20h: Peru x Brasil

22h30: Argentina x Estados Unidos

Sexta-feira, 2 de Agosto

15h: Estados Unidos x Chile

17h30: México x Peru

20h: Argentina x Cuba

22h30: Brasil x Porto Rico

Domingo, 4 de Agosto

12h: Classificatório de 5º a 8º – 3º B x 4º A

14h: Classificatório de 5º a 8º – 3º A x 4ºB

20h: Semifinal – 1º B x 2º A

22h30: Seminal – 1º A x 2 B

5 de Agosto

12h: disputa pelo 7º lugar

14h: disputa pelo 5º lugar

20h: Disputa pelo Bronze

22h30: Disputa pelo Ouro

*Jogos no Horário Oficial de Brasília.

Brasil metralha Estados Unidos e confirma vaga na final. Disputa do ouro será com clássico

Brasil chega a final invicta. Foto: CBHb

A Seleção Brasileira metralhou Estados Unidos na semifinal realizada na noite de segunda-feira, 29 de julho, por 34 a 9, e confirmou o favoritismo. Está na final e a decisão do ouro do handebol feminino Lima 2019 será com o clássico Brasil e Argentina, nessa terça-feira, às 22h30.

O jogo começou com a bola em posse das brasileiras e não demorou para sair o gol (1-0). O Brasil impôs o ritmo em quadra, mas Estados Unidos conseguiu entrar no ritmo. A defesa estadunidense estava bem armada, deu trabalho, a principio, porém era lenta e facilitou os contra-ataques brasileiros. O ataque era atrevido, entretanto não conseguia passar pelos bloqueios brasileiros. O Brasil estava bem no ataque, inicialmente errou algumas finalizações, porém, passados os cinco minutos, a ansiedade passou e a vantagem a favor da Seleção Brasileira só aumentou, passando dos cinco iniciais (7-2) para 12 na entrada do intervalo. Placar Final: BRA 15 x 3 EUA.

No segundo tempo, só deu Brasil em quadra. A Seleção ataca forte, defendia bem, contra-atacava com velocidade, não dando espaços para as ações de Estados Unidos. A seleção estadunidense começou com a bola, mas o gol que balançou as redes foi a Seleção Brasileira. Ainda no começo o Brasil já havia aberto 14 gols de vantagem. Estados Unidos tentava, mas não conseguia marcar bem as brasileiras. Ambos treinadores, principalmente o brasileiro Dueñas, conseguiu fazer uma rotação das atletas, colocando as jovens do banco em quadra e as campeãs no banco e vice-versa. Contudo, isso não fez diferença na qualidade técnica das brasileiras.

O Brasil teve apenas alguns momentos de erros nas finalizações, algo que fez o treinador parar o jogo, a conversa rápida teve resultado, já que a vantagem brasileira cresceu. Quando o treinador Latulippe, de Estados Unidos, pediu tempo técnico a diferença entre as seleções estava em 23 gols (30-7). Faltando menos de 10 minutos para o fim do confronto, Estados Unidos até esboçou uma reação, mas com pouco sucesso. Placar Final: BRA 34 x 9 EUA.

Adriana Cardoso, Brasil, foi artilheira, balançou as redes oito vezes.

No final da partida, a brasileira Samara Vieira, falou ao SportTv, que:

“A gente vem se preparando desde o primeiro jogo. Se preparando para cada jogo. Seguimos trabalhando a paciência. Hoje conseguimos ganhar as semifinais e, Graças a Deus, vamos à final, e vamos ganhar essa também (risos)”.

Argentina vai a final

Na primeira semifinal do dia, a Argentina abriu 10 gols de vantagem sobre Cuba, na primeira etapa. Essa diferença foi necessária para a seleção hermana vencer, pois no segundo tempo, as cubanas arrumaram os erros e foram para cima, jogando de igual para igual. Placar Final: ARG 31 x 21 CUB.

As medalhas

As disputas pelas medalhas será nessa terça-feira. Cuba e Estados Unidos disputarão o bronze, às 20h.

Brasil e Argentina disputarão o ouro, às 22h30.

BUD’s faz vaquinha e pede colaboração para poder disputar o Circuito Brasileiro de Handebol de Areia

BUD’s quer fazer bonito no Circuito Brasileiro. Foto: página do clube

A equipe BUD’s, de Porto Alegre (RS), vai participar do Circuito Brasileiro de Handebol de Areia, representando o estado gaúcho. Porém para poder disputar o campeonato nacional, o time precisará de verba, para completar o que já foi disponibilizado pelos patrocinadores, por isso, os responsáveis pelo time resolveram pedir a colaboração dos torcedores e fãs de handebol, criando uma vaquinha online.

O BUD’s feminino conquistou nesse ano a prata do Campeonato Gaúcho de Handebol de Areia e o bronze no Circuito-Sesc Verão. Em março passado, o treinador Guilherme Caporal e a atleta Daniela Nicolini estiveram com a Seleção Brasileira, que na época se preparava para os Jogos Sul Americanos de Praia. Será a terceira vez que o clube disputará o Circuito Brasileiro.

Para poder jogar, o BUD’s precisa de R$ 15.975,00 mil, por isso, resolveu criar a vaquinha, na Alster, plataforma focada em ajudar no financiamento esportivo. Até o fechamento dessa matéria, o time tinha arrecadado apenas R$ 3.360,00 mil. Para ajudar basta acessar o link: https://www.alster.esp.br/projects/handebol-de-areia-com-as-buds?fbclid=IwAR1i63aDFEC2wwmw3TB1ysGu_J4QeCmt3IjdcOpnR-9Z6bVzjp-w6Y79VEU

Em nota, as atletas do Bud’s ressaltaram que a contribuição representa algo muito maior que o suporte financeiro. E avisaram “preparamos alguns agrados super especiais dos parceiros de campanha GranoSquare, Dobra, Allcatrazes e a LIFT – Treinamento Integrado, de acordo com o valor apoiado, como símbolo da nossa gratidão!”

O dinheiro arrecadado será usado para custear inscrição na competição, alimentação, hospedagem, transporte para deslocamento dentro da cidade-sede da etapa e viagens. De acordo com a nota, 66% do valor será para os custeios das viagens para as cidades que receberão as etapas do Circuito. O restante será usado para os demais custeios.

*Atualizado, às 23h30, de 30 de julho de 2019.

Definidas as semifinais do handebol feminino de Lima 2019

A Seleção Brasileira chega às semifinais como favorita ao ouro. Foto: CBHb

Estão definidas as semifinais do handebol feminino do Pan Lima 2019 e foi confirmado que o adversário do Brasil será Estados Unidos. As semifinais será nessa segunda-feira e as disputas pelas medalhas na terça-feira, 29 e 30 de julho.

A semifinal 1 será entre Argentina e Cuba, às 20h. A semifinal 2 será entre Brasil e Estados Unidos, às 22h30.

As seleções que vencerem disputarão o ouro, às 22h30. O bronze será disputado antes, às 20h.

Retrospectiva das semifinalistas

A Seleção Brasileira chegou as semifinais com campanha invicta, venceu as três partidas que disputou. No primeiro venceu Cuba, por 29 a 20. Depois bateu o Canadá, por 12 a 41, e por fim, goleou Porto Rico, por 40 a 16.

Estados Unidos perdeu o primeiro jogo para as argentinas, por 26 a 15. Se recuperou ao venceu a República Dominicana, por 29 a 22, e garantiu a vaga na etapa de mata-mata ao derrotar o Peru, por 29 a 11.

A Argentina também chegou a seminais invicta. Primeiro venceu Estados Unidos, como visto acima, depois goleou o Peru pelo placar de 7 a 52. Fechou a primeira fase com vitória sobre a República Dominicana, por 27 a 17.

Já Cuba começou o Pan jogando bem, mas não conseguiu segurar o Brasil, perdeu por 29 a 20. Se recuperou ao venceu Porto Rico, por 27 a 24. Na última rodada venceu o Canadá, por 28 a 15.