Rio 2016 na mira da Lava-Jato

A procuradora Fabiana Schneider durante coletiva sobre a Operação UnFair Play/ Foto: Tânia Rêgo –
Agência Brasil

A escolha do Rio de Janeiro para ser sede das Olimpíadas de 2016 está na mira da Lava Jato, tanto que na manhã desta terça-feira, 5 de setembro, foi deflagrada a Operação UnFair Play, que investiga a suposta compra de votos no Comitê Olímpico Internacional. Tóquio 2020 também está sob suspeita.

A ação conjunta entre Brasil e França esteve nos imóveis dos suspeitos e fez o recolhimento de provas. Na casa de Carlos Arthur Nuzman, Presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), foram aprendidos R$ 480 mil em moedas de cinco países diferentes. A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) também estiveram na sede do COB.

De acordo com o que foi divulgado, Nuzman se reservou do direito de permanecer calado durante o interrogatório, chegou a superintendência do Rio por volta das 10h e saiu entorno das 15h30.

Também às 10h20, chegou a PF Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia de Arthur César de Meneses Soares Filho, o Rei Arthur, que foi presa em casa. Ela e Arthur eram sócios na empresa Matlok Capital Group, empresa envolvida na compra dos votos, em 2009. Rei Arthur, que mora em Miami, teve o pedido de prisão decretado e está foragido.

O MPF pediu o bloqueio de até R$ 1 bilhão do patrimônio de Nuzman, de Arthur Soares e de Eliane Calvacante. O objetivo, conforme explicaram os procuradores, é reparar os danos causados pelos três devidos as proporções mundiais da acusação, de fraude na da escolha da sede olímpica Rio 2016.

Entenda o caso

A Operação Unfair Play investiga a suposta compra de votos na escolha do Rio de Janeiro como sede da Olimpíada 2016. O dinheiro vinha dos empresários Eliane e Arthur, enquanto o Presidente do COB era o elo entre o então governador, Sérgio Cabral, e os dirigentes esportivos que supostamente foram subornados em troca dos votos.

De acordo com as investigações, realizadas em parceria com o Ministério Público da França, Cabral pediu que Arthur Soares pagasse US$ 2 milhões ao ex-atleta Papa Diack, que repassou a contia ao pai, um dos jurados na votação que escolheu a sede dos Jogos. Como a votação dos represantes africanos do COI ocorre em bloco, o voto de Diack pode ter influenciado os demais. Outro ponto, levantado pela procuradora Fabiana Schneider, é o papel de Carlos Arthur Nuzman, que teria sido o responsável pela ligação entre Soares e Diack.

Fernanda explicou que foram identificados depósitos que somam US$ 2 milhões feitos pela empresa Matlok Capital Group, de Arthur Soares, às empresas de Papa Massata Diack, filho do ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo, o senegalês Lamine Diack, que é membro do COI.

“Chama a atenção a proximidade dos depósitos com a escolha da cidade. No dia 23 de setembro de 2009 ocorre a primeira transferência bancária de US$ 2 milhões da Matlok para Papa Massata Diack. Mas como não havia nenhuma relação entre eles, nenhuma justificativa para a transação, o banco francês devolveu o depósito no dia 28, de acordo com as regras francesas. No dia 29, a Matlok deposita US$ 1,5 milhão para uma empresa de Papa Diack, em Dakar (África), e US$ 500 mil para outra na Rússia. No dia 2 de outubro acontece o evento na Dinamarca, em que o Rio de Janeiro ganhou a posição para sediar a olimpíada, mesmo tendo as piores condições entre todos os candidatos”, ressaltou a procuradora.

Sobre o envolvimento do ex-governador do Rio, o procurador Eduardo El Hage, contou que devido a confiança que Cabral tinha no operador financeiro Renato Chebar, fez a operação por meio de contas bancárias em paraíso fiscal.

“A empresa Matlok abriu uma conta em Antígua e Barbuda, no Banco EVG, aberta pelo Renato Chebar. Outra conta foi aberta pelo Arthur Soares Filho, que deu uma procuração para Renato Chebar movimentar essa conta e transferir valores para contas em seu próprio nome, mas que de fato pertenciam ao senhor Sérgio Cabral. Ao longo de 2011 e 2012, foram transferidos para essas contas US$ 10.474.460,00. Isso foi relatado para nós por meio de colaboradores, os gestores do Banco EVG e o próprio Renato Chebar”, informou Eduardo.

Os procuradores destacaram que Soares estava presente em Copenhagen, no evento de anúncio da cidade-sede dos Jogos Olímpicos 2016, mesmo não tendo relação nenhuma com a área esportiva. A empresa Facility, de propriedade dele, foi a maior fornecedora de mão de obra terceirizada ao governo do estado e chegou a faturar R$ 2 bilhões por ano.

Tudo começou com investigações sobre o doping do atletismo russo

A Operação deflagrada nesta terça é resultado de uma série de investigações que começaram em 2014 no caso de doping no atletismo da Rússia. Jean-Yves Lourgouilloux, procurador Nacional Adjunto Financeiro da França, participou da operação e representou o Ministério da Justiça francesa, contou que:

“Alguns dos envolvidos eram da Federação Internacional de Atletismo e alguns eram franceses. Algumas transferências de capitais aconteceram na França. Começamos a investigar e confirmamos a suspeita. No final de 2015 foram emitidos vários mandados de busca e apreensão e as investigações financeiras que foram produzidas permitiram determinar que a corrupção ia muito além do fato de esconder o doping de atletas russos, mas podia envolver as condições de atribuição das cidades-sede dos eventos esportivos, inclusive o mais importante deles, os jogos olímpicos”, salientou.

A investigação apontou ainda uma transferência suspeita entre o Comitê Organizador Tóquio 2020 e a Sociedade de Singapura, que já estava envolvida com o caso dos atletas russos. “Foi aberta outra investigação com os mesmos juízes que já conheciam o caso e nos demos conta que a mesma coisa podia ter acontecido com o Rio de Janeiro e pedimos a cooperação com o Brasil. Isso que nos permitiu evidenciar as transferências de dinheiro até a França onde o banco recusou a transferência. Essas transferências já foram acompanhadas antes da sede ser designada ao Rio. No mesmo dia da cerimônia o dinheiro chegou na conta e parte foi gasta em joias em Paris”, concluiu Lourgouilloux.

A Operação Unfair Play contou com 70 policiais federais, que cumpriram dois mandados de prisão e 14 de busca e apreensão, sendo que três deles foram expedidos no decorrer do dia como extensão dos 11 iniciais. As diligências ainda não terminaram e ocorrem nas cidades do Rio de Janeiro, de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e em Paris.

As investigações ocorrem com colaborações de Antígua e Barbuda, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Anúncios

Brasil e Argentina nas semifinais do Pan Júnior

Seleção Brasileira/ Foto: CBHb

A Seleção Brasileira e a Argentina são as primeiras classificadas para as semifinais do Pan-Americano Júnior Masculino. Ambas seleções jogarão na sexta-feira, 24 de março, e suas rivais serão conhecidas nesta quinta.

O concorrente do Brasil será conhecido da partida entre Paraguai e Chile, que ocorre hoje, às 21h30. A semifinal está marcada para ser disputada na sexta, às 21h30. Já o rival da Argentina saíra do confronto entre Estados Unidos e Uruguai, às 19h30. A semifinal deverá acontecer também na sexta-feira, a partir das 19h30.

A Seleção Brasileira conquistou a vaga ao vencer o segundo jogo contra o Chile, na quarta-feira, 22, por 35 a 30. Os argentinos venceram os uruguaios, por 36 a 18.

A grande final acontecerá no sábado, dia 25, às 21h30 (Todos os jogos no Horário Brasileiro de Verão).

Brasil é bronze no goalball masculino da #Rio2016

Equipe comemorou a medalha/ Foto: © Cezar Loureiro/MPIX/CPB

Equipe comemorou a medalha/ Foto: © Cezar Loureiro/MPIX/CPB

O Brasil é bronze no goalball masculino da #Rio2016. A Seleção fez a conquista nesta tarde de sexta-feira, 16 de setembro. Pelo feminino o bronze ficou com os Estados Unidos.

No masculino, os brasileiros encararam a Suécia. A partida foi bastante disputada e equilibrada. Cada gol brasileiro foi muito comemorado pela torcida que encheu a Arena do Futuro. Apenas um gol separou as duas seleções. Placar Final: BRA 6 x 5 SWE.

No feminino, o Brasil enfrentou os Estados Unidos. A partida foi anda mais intensa. Poucos gols, muita disputa, para a alegria dos torcedores presentes. Por apenas um gol de vantagem, as norte-americanas conquistaram a terceira colocação. Placar Final: BRA 2 x 3 EUA.

Os campeões serão conhecidos a noite.

Dobradinha na busca pelo bronze da #Rio2016

Seleções Brasileiras buscaram o bronze/ Foto: © Cezar Loureiro-MPIX-CPB

Seleções Brasileiras buscaram o bronze/ Foto: © Cezar Loureiro-MPIX-CPB

Nesta sexta-feira, 16 de setembro, tem dobradinha na busca pelo bronze do goalball da #Rio2016. As Seleções Brasileiras disputam a medalha nesta tarde. Primeiro as guerreiras, e depois os guerreiros.

A Seleção Brasileira Feminina entrará em quadra, às 13h30, e enfrentará os Estados Unidos.

A Seleção Brasileira Masculina jogará, a partir das 15h, com a Suécia.

Entre as garotas, o ouro será disputado entre China e Turquia, às 18h30. Entre os rapazes, o embate pelo lugar mais alto do pódio será entre Estados Unidos e Lituânia, às 20h.

Nas semifinais o Brasil cai diante China e Estados Unidos

O Brasil chegou animado para as semifinais, principalmente porque nas quartas de finais manteve a boa campanha da primeira fase. A partida da Seleção Feminina foi contra a China foi bastante equilibrada, tanto que o Brasil perdeu por apenas 1 gol. Placar Final: BRA 3 x 4 CHI.

Fengqing Chen foi a artilheira com três gols marcados.

No masculino, a Seleção Brasileira encarou os Estados Unidos. O jogo foi bastante disputado, no entanto, os norte-americanos conseguiram bloquear os brasileiros, e golearam. Placar Final: BRA 1 x 10 EUA.

Tyler Merren foi o goleador, com seis gols feitos.

Brasil comandou as quartas de finais

O Brasil comandou as quartas de finais e confirmou o favoritismo. As partidas aconteceram na quarta-feira, 14, e as Seleções Brasileiras venceram nos dois naipes, sendo que no feminino essa é a primeira vez que a equipe disputou as semifinais.

No confronto entre as mulheres, o Brasil não demorou para dominar a quadra e impor ritmo as rivais da Ucrânia. Bem posicionadas na defesa, a parte ofensiva fez a sua parte, e o trio formado por Victoria, Carol e Simone, foi responsável pelo ataque, sendo Victoria a responsável por sete gols no primeiro tempo. No segundo tempo, a equipe apenas administrou a vitória, mas sem deixar as ucranianas marcarem. Placar Final: BRA 10 x 0 UCR.

Entre os homens, o Brasil encarou a China. Três erros chineses deram aos brasileiros a oportunidade de marcar e abrir o marcador a vantagem. A Seleção Brasileira dominou a partida inteira, sendo que a China consegui chegar ao gol apenas três vezes. Placar Final: BRA 10 x 3 CHI.

Brasil vence no masculino, mas perde no feminino da #Rio2016

A torcida foi a loucura a cada gol do Brasil/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

A torcida foi a loucura a cada gol do Brasil/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

O Brasil venceu no goalball masculino, mas perdeu no feminino na segunda rodada da #Rio2016. Enquanto os guerreiros conseguiram abrir uma boa vantagem contra o Canadá, apenas um gol deu a vitória as japonesas.

A partida masculina abriu a rodada e a tarde de jogos. Mesmo com o Canadá bem armado, a Seleção Brasileira conseguiu abrir o marcador, com gol de Lemon, e a vantagem, principalmente com um dia de inspiração de Romário, artilheiro da partida, e que marcou quatro gols seguidos. O mesmo atleta que abriu o marcador fechou a goleada brasileira, por 11 a 3.

As defesas foram o ponto alto do confronto/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

As defesas foram o ponto alto do confronto/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

O jogo feminino botou fogo na Arena do Futuro. A partida foi muito disputada e muitos lances foram perdidos, graças as defesas que estavam feito muralhas. Apenas um gol, feito por Akiko Adachi, ao 1 minuto de 17 de embate, foi o que ficou no marcador durante toda a primeira etapa. No começo do segundo tempo Victoria Amorim empatou para o Brasil, e na segunda metade do tempo complementar Akiko voltou a marcar. Com um placar magrinho, vitória japonesa, por 2 a 1.

A Seleção Brasileira Masculina voltará a disputa no domingo, 11 de setembro, às 9h para enfrentar a Argélia. Já a Seleção Brasileira Feminina jogará na segunda-feira, dia 12, contra Israel, a partir das 10h15.

Vitória dupla na estreia do Goalball da #Rio2016

Seleção Brasileira Feminina/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

Seleção Brasileira Feminina/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

Teve vitória dupla na estreia do Goalball das Paralimpídas #Rio2016! As Seleções Brasileiras são as favoritas e começaram a competição com o pé direito. Nesta sexta-feira a competição volta a ser disputada.

A Seleção Brasileira Feminina encarou os Estados Unidos. Uma disputa e tanto, já que as duas equipes são antigas rivais. Mesmo com muita duelada, o Brasil se saiu melhor e venceu por 7 a 3. Victória Nascimento foi a goleadora ao balançar as redes por seis vezes.

“Não imaginava que o placar seria 7 a 3, nem que eu conseguiria fazer seis gols. Por ser o primeiro jogo, existia toda aquela expectativa de entrar em quadra depois de um ano inteiro treinando. Felizmente consegui fazer o que o técnico pediu e o resultado veio”, comemorou Victória.

Seleção Masculina/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

Seleção Masculina/ Foto: Cezar Loureiro – CPB – MPIX

Já a Seleção Brasileira Masculina encarou a Suécia em um jogo bastante intenso. Mesmo com os suecos apertando na defesa, os brasileiros conseguiram abrir vantagem e mantiveram até o apito final, vencendo pelo placar de 9 a 6. Lemom foi o artilheiro com cinco gols marcados.

“A equipe da Suécia é muito qualificada, e nunca tínhamos ganhado deles em campeonatos oficiais. Por isso tudo, estrear com vitória foi muito importante e traz mais confiança ainda”, ressaltou Lemom Moreno.

O Brasil retornará a quadra da Arena do Futuro, nos dois naipes, nesta sexta-feira, 9 de setembro. No masculino, a equipe canarinho enfrentará o Canadá a partir das 13h15. No feminino, a Seleção encarará o Japão, às 18h45.

Diogo Hubner conta como foi jogar as Olimpíadas no Brasil

O atleta contou não sentiu a pressão de jogar em casa e aposentadoria está fora de cogitação.

Diogo em partida nas Olimpíadas/ Foto: arquivo pessoal do atleta

Diogo em partida nas Olimpíadas/ Foto: arquivo pessoal do atleta

A cada ciclo olímpico muitas mudanças acontecem. É o caso da Seleção Brasileira Masculina que troca de equipe técnica após a saída de Jordi Ribera, mas longe de falar deste assunto, nós conversamos com Diogo Hubner, atleta da Seleção, que nos contou como foi jogar as Olimpíadas no Brasil e contar com apoio da torcida que lotou a Arena do Futuro.

Sem pressão externa, assim definiu Diogo sobre os Jogos #Rio2016. Mesmo com a presença em peso dos torcedores na Arena, torcida cantante e que não deixou de apoiar a equipe nem um segundo. No entanto Hubner ressalta “acho que a gente que nos colocou bastante pressão pra conquistar os resultados”.

Sobre a experiência de disputar os Jogos o armador comemora: “Por mim contar com a torcida foi muito legal! Muitos colegas meus de quando eu comecei a jogar, professores. A comunidade do handebol do Brasil estava toda presente, e meus familiares também, coisas que se os Jogos Olímpicos fossem em outro lugar eu não teria vivido!”

A Seleção Masculina não era a favorita ao pódio, porém surpreendeu a todos ao derrotar importantes equipes europeias na primeira fase, como a Alemanha. “A falta de favoritismo talvez tenha ajudado, sim. A gente não era favorito, mas sabia do que era capaz”, enfatizou.

A equipe brasileira tem uma mescla de atletas jovens e de atletas mais experientes. O jogador é um dos mais experientes do grupo olímpico e por isso sabia da importante missão de ajudar os mais jovens. “De fato eu na Seleção tinha um papel de tentar dar mais tranquilidade a eles, porque é uma geração fantástica, mas são jovens, e jovens cometem alguns erros, muitas vezes pelo ímpeto, pela ansiedade. Claro, você estar há muito tempo na Seleção, ter participado de inúmeras competições te traz um pouco mais de tranquilidade, mas são Jogos Olímpicos, eram Jogos Olímpicos dentro do nosso país, então eu acho que a ansiedade também era grande, por parte dos mais experientes”, ressaltou Hubner.

Durante a primeira fase, a Seleção Brasileira surpreendeu ao vencer Alemanha e Polônia, empatar com o Egito e ter apenas duas derrotas, por placares muito apertados. Terminou em quarto lugar e avançou para as quartas de finais, saindo da competição após a derrota para a França. Diogo falou que a equipe sentiu muito cair nas quartas, pois sabiam que poderiam ter ficado em primeiro no grupo e não cruzado com a França. Eles sabiam que um jogo contra a França seria um jogo muito difícil. “É uma escola que dispensa comentários. Foi bem doido sim, a gente queria ter ido mais longe, porque a gente sentia que a gente podia e tinha capacidade para isso”.

Quem acompanha o handebol a mais tempo percebeu que esse grupo, que tem como base a seleção que disputou os Mundiais de 2013 e 2015, se desenvolveu muito, atingindo nestas Olimpíadas resultados que antes eram impossíveis. O desenvolvimento se deu, como Diogo explicou, através de muito trabalho e estudo. Segundo ele trabalho é a palavra que melhor exemplifica o avanço desta escrete.

Com o fim dos Jogos Olimpícos #Rio2016, os atletas ganharam alguns dias de folga e após retornaram aos seus clubes. Porém, enquanto os atletas focam nas competições que terão a seguir, o novo ciclo olímpico começa a ser planejado. “Ainda não sei qual vai ser o futuro da Seleção”, lembrou ele (essa entrevista foi realizada antes da saída de Jordi), que completou “tudo é muito recente ainda, e nós não sabemos ainda como vai ser trabalhado esse próximo ciclo. Contudo que acho que já deveríamos estar pensando, sim, principalmente quem pensa no handebol também fora da quadra, a estratégia tem que ser muito bem traçada para que a gente chegue em Tóquio como chegou no Rio”.

Diferente da Seleção Feminina que depois da Rio anunciou a aposentadoria de algumas atletas, na Seleção Masculina o assunto nem entrou em pauta. Mesmo sabendo que é natural que quando jovens entram os mais velhos acabam sendo superados, Hubner disse isso não preocupa. De acordo com o armador, a Seleção Brasileira tem um elenco muito jovem, com atletas de 21 e 22 anos, além dos jogadores que terão idade muito boa para disputar as Olimpíadas de Tóquio. Sobre aposentadoria ele garante “não foi falado nada sobre isso e não tem ninguém, por enquanto, pensando nisso”.

*Matéria escrita em parceria com o Lance!

Seleções de Goalball são favoritas ao pódio das Paraolimpíadas #Rio2016

Seleção masculina/ Foto: Fernando Maia -CPB-MPIX

Seleção masculina/ Foto: Fernando Maia -CPB-MPIX

No dia 7 de setembro começam oficialmente os Jogos Paraolímpicos #Rio2016. A competição vai até o dia 18 de setembro. No Goalball as disputas aconteceram a partir do dia 8, quando as Seleções Brasileiras abriram a competição. No masculino, o Brasil encarará a Suécia. Já no feminino, o Brasil enfrentará os Estados Unidos. A rodada dupla será entre às 9h e 11h15. Os grupos brasileiros são os favoritos ao pódio, sendo os rapazes com mais chances de conquistarem o ouro.

Os ingressos na primeira fase custam entre R$ 10,00 e R$ 20,00.

Na edição passada das Paraolimpíadas, a Seleção Brasileira Masculina conquistou a prata, e é uma das equipes favoritas ao ouro, em virtude da equipe estar a dois anos como líder do ranking mundial. A equipe foi campeão Mundial em 2014, e no ano passado conquistou o bicampeonato do Parapan Americano, em Toronto. Já a Seleção Brasileira Feminina, a primeira equipe de goalball do Brasil a participar dos Jogos, em Atenas (GRE), em 2004, está em pleno desenvolvimento. A equpe foi campeão Parapan-Americana em 2015.

Confira abaixo as escalações das Seleções Brasileiras:

Seleção Brasileira Masculina de Goalball

Alex de Melo Sousa – SESI/SP
Alexsander Almeida Maciel Celente – ACERGS/RS
José Roberto Ferreira de Oliveira – APACE/PB
Josemarcio da Silva Sousa – SESI/SP
Leomon Moreno da Silva – SANTOS/SP
Romário Diego Marques – SANTOS/SP

Seleção Brasileira Feminina de Goalball

Ana Carolina Duarte Ruas Custódio – Santos/SP
Claudia Paula Gonçalves de Amorim Oliveira – AMC/MT
Gleyse Priscila Portioli de Souza – SESI/SP
Neusimar Clemente dos Santos – Santos/SP
Simone Camargo Rocha – SESI/SP
Victoria Amorim do Nascimento – IBC/RJ