Seletivas Olímpicas deverão acontecer até junho de 2021

Presidente da Força Tarefa na apresentação do relatório. Foto: Instagram COI

A Força Tarefa do Comitê Olímpico Internacional (COI) encerrou na última semana as avaliações nos calendários das competições seletivas para as Olimpíadas #Tokyo2020, já que muitas foram adiadas em razão da pandemia de Covid-19.

As decisões são importantes já que muitos esportes ainda estão com vagas abertas, como é o caso do handebol. O relatório final da Força Tarefa definiu datas para a realização das atividades.

As seletivas olímpicas para todos os esportes deverão ser encerradas até o dia 29 de junho de 2021. No dia 5 de julho do mesmo ano será feita a revisão dos classificados
Para esportes que possuem restrições de idade o critério novo permitirá que todos que competiriam em 2020 disputem os jogos em 2021. Com acontece com o futebol, a idade máxima é 23 anos, mas na edição de Tóquio será permitido atletas com 24 anos.

No handebol não há limites de idade. Nesse esporte, o Brasil está classificado no feminino e a seleção masculina disputará o Pré-Olímpico a partir de 12 de março do ano que vem, conforme a Federação Internacional de Handebol.

Até março desse ano, 57% das vagas olímpicas já estavam preenchidas.

Pré-olímpico de Handebol em março de 2021

Como já noticiamos em em abril, a IHF confirmou as novas datas dos Torneios Pré-Olímpicos. No Masculino serão entre os dias 12 a 14. As sedes seguem as mesmas, Noruega, França e Alemanha.

No Feminino os jogos serão de 19 a 21, sendo que as sedes também serão as mesmas, Espanha, Hungria e Montenegro

Confira mais Aqui

*Atualizada, às 00h20, de 22 de julho.

Word Games #Birmingham2021 será em 2022!

Logo do Word Games

Após a Confederação Olímpica Internacional (COI) anunciar as Olimpíadas #Tokyo2020 para o 2021, a Associação Internacional de Jogos Mundiais (IWGA) e Comitê Organizador de Birmingham (BOC) se reuniram rapidamente para decidir se o Word Games #Birmingham2021 aconteceria na data prevista, já que as duas competições seriam no mesmo mês, julho. Após conversas, nesta quinta-feira, 2 de abril, ficou decidido que o Word Games será em 2022.

Com a decisão da IWGA e da BOC, o Word Games seguirá em Birmingham (EUA), com as disputas ente 7 a 17 de julho de 2022.

“Manter as datas originais em julho de 2021 significaria excluir muitos atletas e oficiais envolvidos nas Olimpíadas e levaria a uma possível redução do interesse público e da mídia”, explicaram os responsáveis das duas entidades em nota.

Conforme a nota, as Federações Membros da IWGA apoiaram a decisão de adiar os Jogos #Birmingham2021. A decisão foi acordada com todas as federações e pelas entidades responsáveis pela Word Games através de uma reunião por videoconferência.

O Word Games é um evento poliesportivo, organizado a cada quatro anos pela IWGA, sob o patrocínio do COI. Acontece sempre um ano depois as Olimpíadas de Verão. Birmingham será a 11ª edição dos Jogos Mundiais e terá 600 atletas de mais de 30 esportes e 100 países, entre eles o handebol de praia.

Julho de 2021: um mês que será intenso para os amantes de esportes

Em 2017, as Seleções Brasileiras conquistaram o bicampeonato do Word Games. Foto: IHF

Com a confirmação das novas datas dos Jogos Olímpicos #Tokyo2020, para julho a setembro de 2021, o sétimo mês do ano será intenso para os amantes de esportes, já que as duas maiores competições internacionais de desportos acontecerão em julho do próximo ano.

O Word Games #Birmingham2021 serão de 15 a 25 de julho. Tradicionalmente, o Word Games é realizado um ano após os Jogos Olímpicos, contemplando disputas de esportes não-olímpicos, mas que são reconhecidos e profissionais. Porém, em 2021 tanto os Jogos Mundiais tanto os Olímpicos serão, pela primeira vez, no mesmo ano e no mesmo mês.

As Olimpíadas começarão no dia 23 de julho, ou seja, quando o Word Games ainda estará com disputas. Os Jogos de Tokyo se encerrarão no dia 8 de agosto, as Paralimpíadas serão de 24 de agosto a 5 de setembro.

No caso dos fãs de handebol, julho será de ver as equipes em quadra. Atuais campeãs, as Seleções Brasileiras de Handebol de Areia, feminina e masculina, estão confirmadas no Word Games.

A Seleção Brasileira Feminina Indoor campeão no Pan-Americano de Lima está confirmada nos Jogos #Tokyo2020, a Seleção Brasileira Masculina buscará a vaga no Pré-Olímpico, que está previsto para junho, mas sem data confirmada.

Se a Seleção Brasileira Masculina conquistar a vaga para Tóquio, serão as quatro equipes principais brasileiras em disputas olímpicas. A questão que fica é será que a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) terá verba suficiente para mandar as quatro Seleções Brasileiras para Birmingham (EUA) e Tóquio (JAP) ou os atletas terão, que mais uma vez, fazer mobilizações e vaquinhas para conseguirem irem aos campeonatos? Será preciso muito planejamento para o País poder ter seus atletas de handebol no Word Games e nas Olimpíadas.

Confirmado as novas datas dos Jogos #Tokyo2020

Thomas Bach, presidente do COI. Foto: Christophe Moratal

A Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nessa segunda-feira, 30 de março, as novas datas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos #Tokyo2020. O maior evento esportivo do mundo será de julho a setembro de 2021.

As Olimpíadas serão entre os dias 23 de julho a 8 de agosto. As Paralimpíadas serão entre 24 de agosto a 5 de setembro, ambas na capital japonesa.

A decisão foi tomada após pesquisas e reuniões entre o COI, o Comitê Olímpico Tokyo 2020 e as federações e confederações internacionais e nacionais de diversos esportes, bem como com os principais patrocinadores.

“Quero agradecer às Federações Internacionais pelo apoio unânime e às Associações Continentais dos Comitês Olímpicos Nacionais pela grande parceria e pelo apoio no processo de consulta nos últimos dias. Também gostaria de agradecer à Comissão de Atletas do COI, com quem mantemos contato constante. Com este anúncio, estou confiante de que, trabalhando em conjunto com o Comitê Organizador de Tóquio 2020, o Governo Metropolitano de Tóquio, o Governo Japonês e todas as nossas partes interessadas, podemos superar esse desafio sem precedentes. Atualmente, a humanidade se encontra em um túnel escuro. Estes Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 podem ser uma luz no fim deste túnel”, relatou Thomas Bach, presidente do COI, em comunicado oficial da entidade.

Para o governador Koike Yuriko essas novas datas são boas, principalmente pensando na preparação dos atletas, dos voluntários e demais envolvidos com as multicompetições:

“Considerando o surto global de coronavírus, precisamos de um certo prazo antes de nos prepararmos totalmente para a entrega dos Jogos seguros e protegidos para os atletas e espectadores. Além disso, a preparação para as novas datas ocorrerá sem problemas, pois as datas coincidem com o mesmo período das datas originais da competição, correspondendo com a emissão dos ingressos, equipe do local, voluntários e transporte. Portanto, acredito que celebrar a abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 em 23 de julho de 2021 é o ideal. Os atletas, voluntários, carregadores da tocha e governos municipais locais se preocuparam com a situação. Como agora temos novas datas concretas a serem buscadas, o Governo Metropolitano de Tóquio comprometerá todos os seus recursos e trabalhará em estreita colaboração com o Comitê Organizador de Tóquio 2020, o governo nacional e outras partes interessadas para se preparar totalmente para a entrega de Jogos seguros e protegidos”, enfatizou.

No mesmo comunicado, Bach novamente ressaltou que os atletas já com vagas conquistadas estão garantidos nos Jogos de Tóquio. Agora resta as federações internacionais elaborarem os torneios Pré-Olímpicos e as competições de índices, para as últimas vagas das Olimpíadas.

Atletas e seleções que estão classificadas para #Tokyo2020 manterão as vagas em 2021

Bach garantiu que quem está classificado se manterá classificado. Foto: Greg Martin / COI / Tokyo 2020

Nesse sábado, 28 de março, o Comitê Olímpico Internacional (COI) informou que os atletas e seleções que estão classificados para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos #Tokyo2020 continuarão com suas vagas garantidas, mesmo que o evento desportivo tenha sido transferido para o ano que vem, em razão do aumento de casos e pandemia da Covid-19, no mundo todo.

“Está claro que os atletas que se qualificaram para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 permanecem qualificados. Isso é uma consequência do fato de que esses Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em acordo com o Japão, continuarão sendo os Jogos da XXXII Olimpíada”, afirmou Thomas Bach, o presidente do COI.

A estimativa do COI é que nas Olimpíadas do Japão tenha cerca de 11 mil atletas, de 204 países. Atualmente, há cerca de 6 mil atletas confirmados. Conforme Bach, as federações nacionais e internacionais, de diferentes esportes, terão que repensar como farão os classificatórios.

No handebol e no goalball as vagas já estão definidas, no handebol, a Seleção Brasileira Feminina está classificada, no goalball as Seleções Brasileiras Feminina e Masculina, também irão a Tóquio. Porém, ainda há vagas a serem preenchidas e a Seleção Brasileira Masculina buscará uma das vagas. Por enquanto, a Federação Internacional de Handebol (IHF) mantém o classificatório Pré-Olímpico em junho, com data a ser confirmada.

Assim como o handebol, o basquete, o polo aquático e o boxe também terão pré-olímpicos para a definição dos últimos classificatórios. Já outros esportes, como ginásticas, ciclismo, atletismo, natação e judô, os atletas precisam obter índices, nesse caso, as seletivas que aconteceriam nesse primeiro semestre foram canceladas e não há novas datas.

Enquanto as federações não fecham os novos calendários, o COI e o Comitê Olímpico #Tokyo2020 estão em fase de estudos para determinar se os Jogos serão na primavera ou no verão da parte norte do planete, em 2021.

Jogos Olímpicos e Paralimpícos #Tokyo2020 foram adiados para 2021

Os jogos manterão o nome Tokyo 2020. Foto: Clive Rose / Getty Images

Na manhã desta terça-feira, 24 de março, o Presidente do Comitê Olímpico Internaciona (COI), Thomas Bach, e o Primeiro-Ministro do Japão, Abe Shinzo, se reuniram por teleconferência para discutir as ações das Olimpíadas e Paralimpíadas em razão da Covid-19. A decisão dos dois, apoiados por Mori Yoshiro, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020; pelo ministro olímpico, Hashimoto Seiko; o governador de Tóquio, Koike Yuriko; o presidente da Comissão de Coordenação do COI, John Coates; Diretor Geral do COI, Christophe De Kepper; e o diretor executivo dos Jogos Olímpicos do COI, Christophe Dubi, que os Jogos não serão neste ano, e sim, em 2021, com data ainda a ser decidida.

Bach lembra que o avanço da doença está a atrapalhar a preparação das equipes e atletas para os Jogos, como é o caso do Brasil e de parte da Europa que os clubes estão fechados, por exemplo.

Na segunda-feira, 23, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do COVID-19 está acelerando. Atualmente, existem mais de 375 mil casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e segue crescendo. Essa fala foi o que motivou o adianto dos Jogos.

Com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro Ministro do Japão concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada de Tóquio devem ser remarcados para uma data posterior a 2020, mas o mais tardar no verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e na comunidade internacional.

Os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos conturbados e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente. Portanto, foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. Também foi acordado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos #Tokyo2020.

COI monta planejamento para cenários de crise em razão da Covid-19

Thomas Bach, presidente do COI. Foto: Christophe Moratal

O Conselho Executivo (CE) do Comitê Olímpico Internacioal (COI) anunciou nessa noite desse domingo, 22 de março, início da manhã de segunda-feira no Japão, dia 23, que o COI terá um planejamento especial para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos #Tokyo2020, em razão da Covid-19. Nesse novo cenário, estão relacionados à modificação dos planos operacionais existentes para os Jogos, que a princípio começarão no dia 24 de julho. Esse planejamento permitirá uma melhor visibilidade do rápido desenvolvimento da situação da saúde em todo mundo e no Japão, país-sede do evento desportivo, também servirá de base para a melhor decisão no interesse dos atletas e dos demais envolvidos.

O EB ressaltou que por um lado há melhorias significativas no Japão, onde as pessoas receberam calorosamente a Chama Olímpica. Em nota, os responsáveis destacaram que “Isso poderia fortalecer a confiança do COI nos anfitriões japoneses de que o COI poderia, com certas restrições de segurança, organizar os Jogos Olímpicos no país, respeitando o princípio de salvaguardar a saúde de todos os envolvidos.”

No entanto, a entidade lembra que há aumento considerável e novos casos e surtos da Covid-19 em diferentes países e continentes, sendo que isso levou a CE a concluir que o COI precisa ter um novo planejamento de cenários.

Além do estudo de diferentes cenários, será necessário o total comprometimento e cooperação do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio e das autoridades japonesas, bem como todas as Federações Internacionais de desportos, no total de 33, e Comitês Olímpicos Nacionais. Também exige comprometimento e a colaboração das empresas de radiodifusão do mundo inteiro que possuem os direitos de transmissão, e, dos patrocinadores dos Jogos Olímpicos.

“É nesse espírito de compromisso compartilhado das partes interessadas olímpicas com os Jogos Olímpicos, e diante da deterioração da situação mundial, que o EB do COI iniciam hoje a próxima etapa no planejamento de cenários do COI”, descreveram os responsáveis.

O COI, em coordenação do Comitê Olímpico de Tóquio, das autoridades japonesas e do Governo Metropolitano de Tóquio, começará discussões detalhadas para concluir sua avaliação do rápido desenvolvimento da situação mundial da sáude e o impacto nos Jogos Olímpicos, incluindo o cenário de adiamento. O COI pretende finalizar as discussões nas próximas quatro semanas e agradece muito a solidariedade e as parcerias com as Federações e Comitês no apoio aos atletas e na adaptação do planejamento dos Jogos.

Contudo, o COI ressalta na nota que o cancelamento dos Jogos Olímpicos #Tokyo2020 não resolveria nenhum dos problemas nem ajudaria: “Portanto, o cancelamento não está na agenda”.

Após a reunião do CE, Thomas Bach, presidente do COI, escreveu uma carta à comunidade global de atletas para fornecer uma explicação da abordagem do COI.

Na mensagem, Bach afirmou que salvaguardar a saúde de todos os envolvidos e contribuir para conter o vírus é o princípio fundamental: “As vidas humanas têm precedência sobre tudo, incluindo a realização dos Jogos. O COI quer fazer parte da solução. Portanto, tornamos nosso princípio principal proteger a saúde de todos os envolvidos e contribuir para a contenção do vírus. Desejo, e todos estamos trabalhando para isso, que a esperança que tantos atletas, CONs e FIs dos cinco continentes tenham expressado seja cumprida: que no final desse túnel escuro todos estamos passando juntos, sem saber por quanto tempo é, a chama olímpica será uma luz no fim deste túnel.”

A carta pode ser lida aqui (em inglês).

“A esperança ilumina nosso caminho”: Tocha Olímpica #Tokyo2020 foi acessa na Grécia

Spyros Capralo entregando a Tocha para Imoto Naoko. Foto: Tokyo 2020

Com o slogan “A esperança ilumina nosso caminho”, na manhã dessa quinta-feira, 19 de março, às 11h30 (horário local), a Tocha Olímpica #Tokyo2020 foi entregue ao Japão, em uma Cerimônia na Grécia, sem a presença de público. O dia estava ventosos, porém o Sol iluminava Estádio Panathenaico de Atenas e tornava o evento agradável.

A bandeira olímpica foi hasteada pontualmente e os hinos do Japão, país-sede, e da Grécia, país criados dos Jogos, tocaram na sequência.

Nessa edição não houve o revezamento da Tocha pela Grécia, em razão da pandemia da Covid-19, mas duas sacerdotistas gregas entraram na arena. Elas guiaram e assistiram quando Eleftherios Petrounias, grego campeão olímpico de Ginástica, acendeu Tocha Olímpica. Ele deu uma volta na pista e entregou a tocha à campeã olímpica de salto com vara, Katerina Stefanidi, para eque ela acendesse a Pira Olímpica.

Na sequência, Spyros Capralos, Presidente do Comitê Olímpico da Grécia, fez o discurso, visivelmente emocionado:

“Damos adeus ao grande símbolo olímpico, que reúne humanidade, antiguidade e tempos modernos (…) Desejo acreditar que a jornada da chama olímpica em seu país oferecerá alegria e esperança para as pessoas de todo o mundo, que atualmente estão sofrendo e sendo desafiadas”.

Por vídeo, o Chefe do Comitê Organizador Tokyo 2020, Mori Yoshiro, expressou que se sente alegre com os Jogos, porém, lamentou por ter que cancelar a apresentação de dança de 140 crianças japonesas para celebrar a entrega da chama, destacando a unidade entre a Grécia e o Japão.

A ex-nadadora olímpica japonesa, Imoto Naoko, que vive na Grécia, recebeu a Tocha em nome do Comitê Organizador de Tokyo 2020, antes de transferi-la para a lanterna sob medida de ouro rosa que o transportará para o Japão. Inicialmente, os atletas japoneses Namura Tadahiro, do judô, e Yoshida Saori, da Luta Livre, carregariam a chama olímpica até Tóquio, porém, em razão das ações para frear a transmissão da Covid-19, eles não puderam viajar até Atenas. Mesmo assim, eles deixaram recados e falaram na Cerimônia por vídeo.

“Lamento não poder participar da cerimônia de entrega olímpica. No entanto, no momento, atletas de todo o mundo estão praticando muito os preparativos para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Estou realmente ansioso para ver a chama olímpica carregando suas esperanças em sua jornada pelo Japão”, disse Yoshida.

Próximo passo da Tocha Olímpica…

Nessa sexta-feira, 20 de março, o Tokyo 2020 Go, o avião decorado com pictogramas será usado ​​para representar os portadores da tocha olímpica e transportará a chama para o Japão.

O revezamento da tocha japonesa em todo o país contará com 10 mil corredores e começará em Fukushima, a área que foi devastada pelo terremoto de 2011 e subsequente desastre nuclear. Também coincidirá com as flores de cerejeira, pelas quais o Japão é tão famoso.